Passar para o Conteúdo Principal

Sines acolhe atividades do Festival Terras sem Sombra

Sempre7 1 980 2500
09 de Março de 2016

O Festival Terras sem Sombra (FTSS), organizado pelo Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, promove atividades em Sines nos dias 11, 12 e 13 de março, em parceria com o município de Sines.

Três criadores que ostentam os prémios nacionais espanhóis de Design, Composição e Interpretação Musical coincidem no que será, talvez, o espetáculo mais insólito do Terras sem Sombra deste ano: uma “ópera sem vozes”, Sempre/Ainda, a partir de textos procedentes de Damasco Suite, de Alberto Corazón, com música composta por Alfredo Aracil e interpretação ao piano por Juan Carlos Garvayo. Na realização multimédia, inspirada por pinturas de Alberto Corazón, colabora também Simón Escudero.

A “ópera sem vozes” Sempre/Ainda é um espetáculo singular em que a música para piano solo e as imagens projetadas num ecrã nos vão revelando, pouco a pouco, um texto; a sua matéria-prima resulta de umas anotações, tiradas dos seus cadernos de viagem, pelo autor do texto, durante uma transcendental estadia em Damasco antes da tragédia que a assola.

Com uma duração de pouco mais de uma hora, esta criação estreou-se em outubro de 2015 no Museo Universidad de Navarra, em Pamplona, desenhado por Rafael Moneo. Vai ser possível vê-la e ouvi-la, no auditório do Centro das Artes de Sines, no dia 12 de março, às 21h30, ainda antes da sua apresentação em Madrid ou Sevilha, o que constitui também uma forma de realçar a contemporaneidade deste projeto cultural. A entrada é gratuita, sujeita à capacidade da sala. Não há reserva de lugares.

Preparando a apresentação da ópera, realiza-se a 11 de março, sexta-feira, às 21h30, na cafetaria do Centro das Artes, uma mesa-redonda com Alberto Corazón, Alfredo Aracil, Juan Carlos Garvayo, Juan Ángel Vela del Campo – diretor artístico do FTSS –, Ruy Ventura – tradutor do libreto para português – e José António Falcão – diretor-geral do FTSS. A moderação corre a cargo de José Carlos Seabra Pereira, professor da Universidade de Coimbra.

No dia 13 de março, pelas 10h00, realiza-se a ação “Mãos à Obra em Sines: O Projeto Coastwatch e a Monitorização Voluntária da Beira-mar”, com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e do GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente e com o apoio da Câmara Municipal de Sines.

Coastwatch é um inovador projeto de âmbito europeu que permite obter uma caracterização geral da faixa costeira, envolvendo inúmeros voluntários, a título individual ou em grupo. O seu grande objetivo prende-se com a caracterização, ao longo do litoral, de fenómenos-chave, relacionados com os seguintes aspetos: salvaguarda da biodiversidade; zonamento costeiro (zona entre marés, zona supratidal e zona interior contígua); erosão costeira; resíduos; contaminação; pressões antrópicas.

O Festival Terras sem Sombra associa-se à iniciativa com a realização de várias unidades de monitorização na orla costeira de Sines. Paralelamente, será recolhido o lixo marinho encontrado ao longo dos percursos litorais. Participam artistas, espectadores e membros das comunidades locais. Mais informações: 962 414 521 (dpdb@sapo.pt).

De entrada livre, o festival prolonga-se até 2 de julho, e segue para Santiago do Cacém, Ferreira do Alentejo, Odemira, Serpa, Castro Verde e Beja sob o título Torna-Viagem: o Brasil, a África e a Europa (Da Idade Média ao Século XX). Um hino ao Baixo Alentejo: à beleza dos seus espaços naturais e ao prazer da descoberta cultural ao alcance de quem o deseje.

Programa Sines

11 de março / 21h30 / Cafetaria do Centro das Artes
Mesa-Redonda Memória e Criação

12 de março / 21h30 / Auditório do Centro das Artes
Sempre/Ainda: Ópera sem Vozes, de Alfredo Aracil

13 de Março / 10h00 / Partida dos Paços do Concelho
Mãos à Obra pelo Litoral de Sines: O Projeto Coastwatch e a Monitorização Voluntária da Beira-mar

Mais informações

Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja
dpdb@sapo.pt