Passar para o Conteúdo Principal

OUTside(CAS) // 12 a 18 de outubro // Fernanda Fragateiro

15 semana 980 x512 1 980 2500
12 de Outubro de 2020

O Centro de Artes de Sines, através do Serviço Educativo e Cultural, promove o OUTside(CAS), projeto de mediação da exposição “Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica?”, patente até 18 de outubro de 2020. 

15.ª semana - 12 a 18 de outubro - Fernanda Fragateiro

O quarto, apesar de nos remeter para a intimidade e para a privacidade, esta pode ser vivenciada de forma tão dicotómica como a calma: para o amor; paz e prazer, ou a violência: para a dor, desespero ou para a angústia da violência conjugal. Esta leitura pode ser feita a partir do espelho partido da escultura (a última obra da exposição) que não apenas nos leva a uma imagética de violência como também devolve a imagem ao observador, como que a dizer-nos que a violência doméstica diz respeito a todos nós.

Miguel Sousa Ribeiro

ARTISTA DA SEMANA: Fernanda Fragateiro

(Montijo, 1962) Estudou na Escola de Artes Decorativas António Arroio (1978-1981), frequentou o AR.CO.-Centro de Arte e Comunicação (1981-1982) e o Curso de Escultura na Escola Superior de Belas Artes (1983-1987). Mais tarde, também no AR.CO. interessa-se pela Ilustração (1997-1999). No Centro Português de Design, frequenta o Curso de Pós-Graduação, em Design Urbano (2000). Participa, desde cedo, em numerosas exposições coletivas e individuais, em Portugal e no estrangeiro, abarcando a sua obra, a pintura, a escultura, a ilustração e a cerâmica. O reconhecimento do seu trabalho valeu-lhe diversos prémios. Para a artista tornou-se primordial que a obra interaja no espaço /sociedade urbana, em que insere, procurando, simultaneamente, refletir sobre o lugar do autor nesse processo criativo. Na Expo’98, deu corpo a um projeto de arte urbana, concebendo um extenso revestimento mural de azulejos, para o Jardim da Água.

Curiosidades:

https://www.fernandafragateiro.com/

OBRAS DA SEMANA

Fernanda frag

Fernanda Fragateiro

Público/Privado – Doce calma ou violência doméstica, 1997 (1995)

Madeira, espelho (125x200x40 cm) e fotografia (125×200 cm)

Cortesia: Coleção António Cachola


"Nesta obra e pela primeira vez, a artista utiliza o espelho enquanto material de construção, passando, então, a integrá-lo regularmente nas suas produções. Fernanda Fragateiro explica que a possibilidade do uso do espelho surgiu a partir de um texto: “um dia, encontrei uma caixa de fotografias onde havia duas muito cinematográficas e enigmáticas”. Descreve, então, que uma delas retratava uma mulher que parecia arrumar um quarto de casal, ou procurar alguma coisa, e onde existia um espelho, uma cama, uma mesa e uma janela que iluminava o quarto com luz natural. A atmosfera da imagem intrigou-a, porém, a descoberta de um texto escrito com uma caligrafia muito cuidada, feminina, que detalhava a imagem, terá sido o mais instigante. O seu primeiro impulso foi usá-lo, mas refletiu: “não tenho nada de revelar o texto, mas vou usar um espelho” . O espelho utilizado, apresentado com as mesmas dimensões da fotografia (125x200cm), estava pelo texto descritivo caligrafado, uma tautologia da imagem, constituindo-se como o seu duplo .Fernanda Fragateiro assume essa mesma redundância, mas serve-se de um espelho para criar o efeito de duplicidade. [...]

Formalmente, Público/Privado, Doce Calma ou Violência Doméstica I é uma construção de canto em que a fotografia foi colocada horizontalmente e em posição ortogonal com um espelho. A servir-lhes de suporte, uma estrutura constituída por barrotes de madeira, sem elementos de fixação visíveis, parece funcionar como um plinto, não só porque a obra se emancipa do plano do chão, como salvaguarda uma margem mínima de afastamento entre ela e o espetador." *

*Dissertação de Mestrado em Critica, Curadoria e teorias da Arte "Sobre a obra escultórica de Fernanda Fragateiro" - Maria Helena Pato e Silvia Graça - Universidade de Lisboa 2018

DESAFIO DA SEMANA

Conceitos chave: Mulher quarto, privado, intimidade, vivência conjugal, violência, consciencialização e participação cívica "Violência doméstica é um crime público".

Desafio: efetuar uma ou mais associações entre um dos conceitos chave e um objeto, uma paisagem ou um texto. Proceder ao seu registo e partilhá-lo.


Nós deixamos aqui o nosso contributo.  

retrato de agressor

"Retrato de Um Agressor" de Maria Paulino, vencedor da 3ª edição do Prémio VIDArte – A arte contra a violência doméstica 

http://www.gepac.gov.pt/pagina.aspx?f=3&back=1&mid=5055&id=12432 

Exposição: inaugurada no Dia Internacional da Mulher, celebrado a 8 de Março de 2017, esta aborda o tema da violência doméstica e de género. As 13 peças expostas são da autoria da artista plástica setubalense Maria Paulino, e resultam do aproveitamento de manequins e materiais como resina acrílica ou borracha de silicone. O objectivo é "retratar múltiplas expressões representativas do universo da violência". A mostra esteve patente no novo edifício do Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, de 8 de março a 31 de Julho de 2017.

PARTILHE OS SEUS TRABALHOS

Registe e partilhe os seus trabalhos connosco, através do seguinte endereço eletrónico: servicoeducativoCAS@mun-sines.pt.