Passar para o Conteúdo Principal

Porto aposta na diversificação e captação de novos mercados

Jlcacho 1 980 2500
01 de Outubro de 2020

O Porto de Sines apresentou a 30 de setembro, no auditório da sua sede, as Opções Estratégicas para a infraestrutura no período 2020-2030. A sessão contou com a presença do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Santos Mendes. 

Para o presidente do Conselho de Administração da APS, José Luís Cacho, que abriu a sessão de apresentação, o Plano Estratégico 2020-2030 “é o ponto de partida para um novo ciclo no Porto de Sines”, assente na “diversificação da atividade”, na “captação de novos mercados”, na “digitalização” e na “descarbonização”.

Entre as metas estratégicas para a década estão a captura de carga para alcançar uma quota de 3% no movimento dos portos ibéricos com o hinterland e o aumento em 40% do volume de carga com origem / destino na Zona Industrial e Logística de Sines e na Zona de Atividades Logísticas do porto (excluindo setor energético).

Presente na sessão, o presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas, sublinhou a importância do porto para a recuperação económica do país, mas também a sua centralidade no desenvolvimento económico de Sines.

“É o Porto de Sines que está na génese de todo o ecossistema económico deste concelho, que agrega indústria pesada, indústria ligeira, um crescente número de serviços, um setor logístico em franco desenvolvimento e, neste momento, está com uma dinâmica muito interessante de diversificação empresarial.”

As acessibilidades como componente crítica da competitividade do porto voltaram a ser referidas por Nuno Mascarenhas, que classificou como “muito positivo” o lançamento do concurso para a empreitada de modernização da linha férrea de Sines até Ermidas, assim como todo o investimento que está a ser realizado na ferrovia.

Ainda nos transportes, o presidente da Câmara reforçou a necessidade de responder à “elevada circulação de pesados entre Sines e a A2, mais de 320 mil viagens anuais, com uma percentagem elevada de transporte de matérias perigosas”.

“As condições em que esta circulação se opera atualmente levantam muitas preocupações ao nível da segurança rodoviária. Seria desejável que este troço, com pouco mais de 35 km, em perfil de autoestrada, pudesse vir a ser concretizado no curto prazo”, afirmou o autarca.

Além das acessibilidades, também a questão habitacional em Sines mereceu ênfase na intervenção do presidente a Câmara.

“O mercado habitacional, quer para compra quer para arrendamento, não conseguiu acompanhar proporcionalmente a criação de postos de trabalho ao longo dos anos. É por isso necessário intervir neste domínio e a Câmara Municipal está a fazê-lo. Estamos a programar mais áreas destinadas a habitação, procurando diversificar as tipologias de modo a abranger famílias de rendimentos diversos.”

“Ainda assim”, disse o presidente da Câmara, “e depois do muito que se tem feito em matéria de habitação nos anos recentes, faltam hoje aos municípios instrumentos que permitam uma maior intervenção nesta área, nomeadamente tendo em vista a promoção da fixação de jovens, de quadros e de famílias em territórios de menor densidade.”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse que o Porto de Sines deve focar-se no contributo que pode dar à indústria.

"Não queremos fazer apenas transbordo, não queremos ser apenas um hub energético. Nós queremos usar o porto de Sines como um instrumento de desenvolvimento económico e industrial do país", disse o ministro.

"Se formos um dos primeiros países a entrar no comboio do hidrogénio, vamos permitir que um conjunto de outras atividades industriais e tecnológicas ligadas ao hidrogénio se possam instalar perto do Porto de Sines. O que queremos em Sines é indústria”, acrescentou.

Para Pedro Nuno Santos é também fundamental aumentar a “massa crítica” em Sines.

“O que queremos é que Sines possa ter mais gente, mais empresas, mais atividade, e que possa ser um polo de desenvolvimento do Alentejo.”

Respondendo às preocupações manifestadas pelo presidente da Câmara, o ministro assegurou que o Governo vai continuar a investir nas infraestruturas necessárias para maximizar o potencial do Porto de Sines.


Presidente da Câmara Municipal de Sines, Nuno Mascarenhas

Ministro da Habitação e das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos