Passar para o Conteúdo Principal

Exposição "Mundividências"

23 Novembro 2019 a 26 Janeiro 2020
Adicionar a calendário 2019-11-23 00:00:00 2020-01-26 00:00:00 Europe/Lisbon Exposição "Mundividências" Evento
Cartaz mundividencias h 1 980 2500

CAS – Centro de Exposições | Inaug. 23 de novembro, às 16h00 | Segunda a sexta, 14h00-20h00; sábados, domingos e feriados, 14h30-20h00 | Entrada livre | Org. Câmara Municipal de Sines

Seis fotógrafos de Sines integram a exposição do Dia do Município no Centro de Artes de Sines. Sob o título genérico de “Mundividências”, lançámos o desafio para que cada um concebesse um projeto coerente que refletisse um momento do seu trabalho, ou um conceito que condensasse a abrangência da sua obra.

:: “REFLEXOS DO EU” | JORGE CUSTÓDIO

Fotografar o Eu é fotografar o Outro. Nas suas deambulações na busca dos momentos a eternizar, por vezes, o fotógrafo é captado pela sua própria objetiva. Este conjunto de fotografias é disso exemplo, e contribui para a memória do Eu que é ao mesmo tempo a memória do Outro.

:: “O MUNDO A PRETO E BRANCO NÃO É CINZENTO” | LUÍS MAGALHÃES

Dez países. Dez impressões monocromáticas. As cores dos seus mundos e das suas gentes. O olhar, a alma e a lente de Luís Magalhães.

:: “NESTE DIA DE MAR E NEVOEIRO” E “FROM GAGARIN’S POINT OF VIEW” | RUI PEREIRA

Duas séries fotográficas. Na primeira, o artista explora a sua relação com o lugar, com o mar e a memória. Na segunda, partindo do título de uma música do trio de jazz E.S.T., leva o fotógrafo a uma reflexão pela existência, pela génese, pel’“o todo”, pelo universo, pelo cosmos.

:: “IN LUMINE” | SOFIA COSTA

IN LUMINE" (na luz) é um projeto que procura capturar imagens na ausência da luz, mostrando formas, silhuetas... É o capturar da luz na escuridão do momento.

:: “MARESIAS” | TIAGO CANHOTO

"Sair do trabalho, com níveis de stress elevados, pegar na máquina e tripé e dirigir-me para as praias do nosso litoral alentejano é terapêutico. Sozinho, sentindo a brisa salgada, o som do mar, a areia a colar-se aos pés, e podendo contemplar um dos maiores espetáculos da natureza, o pôr-do-sol. Eu, à minha maneira, apenas o registo.”

:: “ROSTOS DE SOL E SAL” | VÍTOR SEROMENHO

As marcas de um trabalho duro, executado por homens de carne e osso, mas com uma vontade de ferro...